covid19

Como COVID-19 afeta os olhos: pesquisas recentes e atualizações para profissionais de saúde

Como os novos dados divulgados a cada dia demonstram, o coronavírus (COVID-19) tem efeito em todo o corpo humano. Este artigo descreve o que sabemos hoje nas pesquisas sobre o efeito do COVID-19 nos olhos e o que devemos procurar nesses pacientes. 

Causado pelo vírus SARS-CoV-2, todos sabemos que o COVID-19 é uma crise de saúde global que se espalhou rapidamente pelo mundo se caracterizando como pandemia. Até o momento da redação deste artigo, havia 103 milhões de casos em todo o mundo com 9.2M casos no Brasil, de acordo com os dados disponibilizados pelo Google. Esse vírus surgiu em Wuhan, China, e o primeiro médico a reconhecê-lo foi o Dr. Li Wenliang, um oftalmologista, que alertou seus colegas quando encontrou vários casos de pneumonia semelhante à síndrome respiratória aguda grave (SARS) em seu hospital.1Infelizmente, o Dr. Li mais tarde contraiu esse vírus de um paciente de glaucoma infectado, mas assintomático, e faleceu da doença. As doenças infecciosas costumam se apresentar com sintomas oculares, e os profissionais de saúde ocular devem estar preparados para reconhecer esses sinais quando eles se apresentarem em seus consultórios.

Como a pandemia continua em todo o mundo, colocaremos os pacientes que se recuperaram desta doença e é importante reconhecermos como esse vírus afetou seus olhos. Além disso, devemos estar preparados para reconhecer quaisquer sinais do vírus em pacientes assintomáticos atualmente infectados, tanto para nos proteger de contrair o vírus quanto para alertar esses pacientes. Vejamos todos os lugares em nossos olhos onde este vírus está mostrando seu efeito.

O olho vermelho básico. 

Este é o sintoma ocular mais conhecido da COVID-19. Existem vários relatos de congestão conjuntival e conjuntivite sendo o primeiro sintoma em pacientes infectados com SARS-CoV-2, e até mesmo as secreções oculares desses pacientes continham o vírus.1 Esses pacientes com conjuntivite podem apresentar-se à clínica com dor de cabeça, febre, calafrios ou tosse, que pode ser um sinal de alerta para o médico. Assim, os profissionais da saúde ocular podem ser os primeiros na fila para avaliar e alertar o paciente potencialmente infectado com o vírus.

Se o vírus estiver presente nas secreções oculares, isso significa que também pode ser transmitido pela superfície ocular. Existem relatos de transmissão por contato de aerossol com a conjuntiva se não houver proteção para os olhos.2 Devido à proximidade entre o paciente e o profissional durante o exame com lâmpada de fenda, isso pode representar um risco direto de transmissão. É altamente recomendável que esses profissionais tenham algum tipo de proteção para os olhos (protetor facial ou óculos de segurança) além da máscara N95 para reduzir as chances de infecção transconjuntival por aerossol.

Coronavírus na córnea

Sabemos que o tecido conjuntival e suas secreções contêm coronavírus em pacientes positivos, mas esse vírus penetra mais na superfície ocular ou através da córnea?

Um estudo avaliou a prevalência do vírus SARS-CoV-2 em tecidos oculares humanos post-mortem e mostrou uma prevalência pequena, mas notável, de SARS-CoV-2 em tecidos oculares de doadores COVID-19.3 No estudo, foram avaliados 19 tecidos oculares de doadores positivos e, deles, três suabes conjuntivais, uma córnea anterior, cinco córneas posteriores e três esfregaços vítreos testaram positivo para RNA de SARS-CoV-2.3 O estudo não mostrou se a transferência de infecção era possível durante o transplante de córnea com tecido de um doador infectado.

Embora a prevalência nos tecidos oculares seja pequena, isso levanta questões sobre a rota de transmissão do vírus através dos tecidos oculares. A principal via de infiltração do SARS-CoV-2 é conhecida por ser através das gotículas respiratórias, mas uma via não respiratória de transmissão ainda não poderia ser ignorada.3 Não estava claro se o RNA do vírus chegou lá devido à infecção ocular inicial ou retrógrado transferência do ducto nasolacrimal.3 O estudo está novamente nos lembrando sobre a necessidade de proteção para os olhos durante os exames oftalmológicos.

O efeito na retina

Devido à novidade do vírus, poucos estudos analisaram as complicações retinianas causadas por esta doença. Muitos dos pacientes que se recuperaram da condição começaram a ir ao oftalmologista para fazer exames regulares, e complicações retinianas ou alterações de OCT começaram a aparecer nesses pacientes.

Um estudo recente analisou os resultados da retina em pacientes hospitalizados. O exame de fundo de olho dilatado foi realizado em pacientes internados por COVID-19 e as lesões vasculares retinianas, como hemorragias em forma de chama e manchas algodonosas, foram os principais achados. Um paciente tinha palidez setorial retiniana sugestiva de isquemia retiniana recente.4 O estudo foi o primeiro desse tipo, tornando difícil distinguir a correlação direta entre o dano tecidual devido a SARS-CoV-2 ou complicações trombóticas.4

Um segundo estudo examinou mais detalhadamente a angiografia de OCT de pacientes que se recuperaram do COVID-19. O curso de COVID-19 foi leve nesses pacientes e muito poucos deles necessitaram de hospitalização. No estudo, a densidade de vasos (VD) do plexo capilar retinal superficial (SCP) e profundo (DCP) e a área da zona avascular foveal (FAZ) foram medidos em pacientes recuperados com COVID-19 versus controles de mesma idade.5 O VD em SCP e DCP foram significativamente reduzidos nas regiões foveal e parafoveal e FAZ também foi maior, mas não significativamente nesses pacientes.5 Esses pacientes podem estar em risco de complicações vasculares retinais.5

Os efeitos do COVID-19 na retina ainda podem exigir mais pesquisas, mas os fechamentos e bloqueios devido à pandemia mudaram as características dos descolamentos de retina na primeira apresentação. Há um relato de um aumento significativo no número de RDs apresentando descolamento macular, VA basal deficiente e áreas maiores de retina descolada entre maio e setembro de 2020.6 Os motivos observados incluem pacientes evitando ir ao postinho devido ao medo de COVID-19, como muitos não tinham certeza se as clínicas oftalmológicas estavam abertas ou não e alguns não conseguiam entender a urgência de seus sintomas.6 A educação do paciente em relação aos sinais e sintomas de descolamento de retina em sua consulta inicial para um exame oftalmológico geral pode ajudar a salvar sua visão no futuro .

Manifestações neuro-oftalmológicas de COVID-19

As capacidades neuroinvasiva e neurotrófica do coronavírus também foram propostas, mas suas vias não são bem compreendidas. Esses estudos relataram o envolvimento do vírus no SNC levando à síndrome semelhante à encefalite aguda, encefalomielite disseminada aguda e esclerose múltipla.7 Esses relatos sobre manifestações neurológicas de COVID-19 têm aumentado diariamente e incluem tontura, dor de cabeça, convulsões, alterações no estado mental, ataxia, doença cerebrovascular aguda, vasculite do SNC, síndrome de encefalopatia reversível posterior, mielite necrosante aguda, encefalite e comprometimento do paladar e do olfato.

Dor de cabeça foi o principal sintoma do vírus, enquanto diplopia e oftalmoparesia também foram observadas em dois casos. Houve também outro caso de paralisia do nervo facial com reflexo de piscar não responsivo.7 Por último, a neurite óptica também foi observada com um modelo de coronavírus animal, mas sem dados no modelo humano.7 A pesquisa apresentou uma ampla variedade de manifestações neurológicas do coronavírus, mas o estudo teve algumas limitações. O exame ocular e neurológico em pacientes COVID-19-positivos foram prejudicados devido a questões de segurança, limitando uma melhor compreensão de qualquer associação.7

Conclusão

Este artigo prova que os profissionais de saúde ocular são os primeiros na fila para encontrar um paciente positivo, além de serem os primeiros a ver os sintomas do coronavírus e alertar o paciente. Isso implica em trabalhar com o melhor equipamento de proteção individual para proteger a nós mesmos, nossa equipe e outros pacientes. As clínicas devem rastrear a febre e um questionário COVID no ponto de entrada e por telefone antes de marcar uma consulta. Pacientes com olhos vermelhos devem ser selecionados e avaliados em uma sala separada com equipe e profissional equipado com equipamento de proteção individual completo.2

A maioria dos estudos sobre a associação do coronavírus à saúde ocular são os primeiros desse tipo e apresentam dados iniciais. Todos esses estudos tiveram limitações semelhantes, como amostras pequenas, falta de dados e outros fatores de confusão, como comorbidades que poderiam ter distorcido os resultados. Essas limitações tendem a melhorar à medida que novos estudos são feitos, com casos crescentes em todo o mundo, mas também aumentando as recuperações. À medida que mais dados e estudos são apresentados, os profissionais de saúde ocular também terão um melhor entendimento da avaliação dos olhos dos pacientes após a recuperação do COVID-19.

Referências

Bacherini, D., Biagini, I., Lenzetti, C., Virgili, G., Rizzo, S., & Giansanti, F. (2020). A pandemia COVID-19 da perspectiva de um oftalmologista. Tendências em Medicina Molecular.

Khanna, R. C., & Honavar, S. G. (2020). Todos os olhos voltados para o Coronavírus – o que precisamos saber como oftalmologistas. Jornal indiano de oftalmologia, 68 (4), 549.

Sawant, O. B., Singh, S., Wright III, R. E., Jones, K. M., Titus, M. S., Dennis, E., … & Mian, S. I. (2020). Prevalência de SARS-CoV-2 em tecidos oculares humanos post-mortem. A superfície ocular.

Pereira, L. A., Soares, L. C. M., Nascimento, P. A., Cirillo, L. R. N., Sakuma, H. T., da Veiga, G. L., … & Abucham-Neto, J. Z. (2020). Achados retinianos em pacientes hospitalizados com COVID-19 grave. British Journal of Ophthalmology.

Abrishami, M., Emamverdian, Z., Shoeibi, N., Omidtabrizi, A., Daneshvar, R., Rezvani, T. S., … & Sarraf, D. (2020). Análise de angiografia por tomografia de coerência óptica da retina em pacientes recuperados do COVID-19: um estudo caso-controle. Canadian Journal of Ophthalmology.

Arjmand, P., Murtaza, F., Eshtiaghi, A., Popovic, M. M., Kertes, P. J., & Eng, K. T. (2020). O impacto da pandemia do COVID-19 nas características dos descolamentos de retina: a experiência canadense: características dos descolamentos de retina durante o COVID-19. Canadian Journal of Ophthalmology.

Luís, M. E., Hipólito-Fernandes, D., Mota, C., Maleita, D., Xavier, C., Maio, T., … & Ferreira, J. T. (2020). A Review of Neuro-Ophthalmological Manifestations of Human Coronavirus Infection. Olho e cérebro, 12, 129.

Artigo base de: eyesoneyecare.com

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Este post tem um comentário

  1. Carol

    Tenho duas amigas jovens, uma nem óculos usava. As duas tiveram descolamento de retina e precisaram operar
    As duas tiveram covid com sintomas leves a uns 2 meses.
    Uma outra amiga de apenas 21 anos descobriu agora que está com glaucoma.

Deixe uma resposta

Social Media

Mais Populares

Receba as últimas notícias

Se Inscreva para receber conteúdos especiais

Receba notícias e conteúdos da Martinato.

Receba Notícia
body {background-color: transparent !important; }

Arquivo

Encontre o post por mês

Categorias

Outros

Posts Relacionados